Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.monografias.ufop.br/handle/35400000/3630
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorMarques, Amaro Sérgiopt_BR
dc.contributor.authorFaria, Mariana Pache de-
dc.date.accessioned2021-12-18T03:42:19Z-
dc.date.available2021-12-18T03:42:19Z-
dc.date.issued2021pt_BR
dc.identifier.citationFARIA, Mariana Pache de. Autoconstrução e processos autônomos: suas diversas faces e a qualidade habitacional. 2021. 84 f. Monografia (Graduação em Arquitetura e Urbanismo) - Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2021.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.monografias.ufop.br/handle/35400000/3630-
dc.description.abstractO ser humano, em toda sua história, se importou e interagiu com o espaço ao seu redor. Com o advento do trabalho externo, a habitação adquire um novo significado de familiaridade e expressão individual, representando uma nova preocupação com padrões, status e simbolismos, extremamente importantes para o sujeito pessoal e socialmente. Nesse contexto, o serviço de arquitetura se direciona para as classes mais altas e não se adequa às demandas populares advindas da maior parcela da sociedade. Além disso, é possível inferir como as classes mais baixas estão diretamente ligadas à autoconstrução, que compõe, portanto, a maioria das construções e reformas no país e estão sempre em modificação, desprendendo um alto investimento e revelando insatisfações contínuas e possivelmente, má qualidade habitacional. Considerando a influência das problemáticas habitacionais também na saúde dos usuários e as questões urbanas, que juntas compõem o direito à moradia, busca-se o entendimento dos principais princípios relacionados a qualidade do espaço interno e habitabilidade (conforto ambiental e espacial, ergonomia, aspectos construtivos e patologias); a compreensão das diversas esferas e complexidades que envolvem a prática autoconstrutiva (território, tempo, renda, práticas construtivas, cultura e autonomia), incluindo seu histórico que tangencia as políticas habitacionais e urbanas no país e, por fim, a atuação de profissionais em arquitetura social e o produto gerado, em uma análise de estudos de casos reais. Tem-se aqui, portanto, o reconhecimento dessa expressiva realidade e a compreensão da urgência em atuar sobre esse processo de forma efetiva, levando a técnica, mas respeitando suas demandas, conhecimentos, realidades e autonomia dos sujeitos, visando a melhora qualitativa do morar em autoconstruções e inferindo no déficit habitacional.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectArquitetura de habitaçãopt_BR
dc.subjectHabitação popularpt_BR
dc.subjectAutonomiapt_BR
dc.subjectDireito à moradiapt_BR
dc.titleAutoconstrução e processos autônomos : suas diversas faces e a qualidade habitacional.pt_BR
dc.typeTCC-Graduaçãopt_BR
dc.contributor.refereeMarques, Amaro Sérgiopt_BR
dc.contributor.refereeSouza, Maurício Leonard dept_BR
dc.contributor.refereeSilvia, Margarete Maria de Araújopt_BR
dc.description.abstractenHuman beings, throughout their history, cared and interacted with the space around them. With the advent of outside work, housing acquires a new meaning of familiarity and individual expression, representing a new concern with patterns, status and symbolism, extremely important for the individual personally and socially. In this context, the architectural service is aimed at the higher classes and does not fit the popular demands arising from the largest portion of society. In addition, it is possible to infer how the lower classes are directly linked to self-construction, which makes up, therefore, the majority of constructions and renovations in the country and are always undergoing modification, giving off a high investment and revealing continuous dissatisfaction and possibly poor housing quality. Considering the influence of housing issues also on the health of users and urban issues, which together make up the right to housing, we seek to understand the main principles related to the quality of the indoor space and habitability (environmental and spatial comfort, ergonomics, constructive aspects and pathologies); the understanding of the various spheres and complexities that involve self-construction practice (territory, time, income, construction practices, culture and autonomy), including its history that touches on housing and urban policies in the country and, finally, the product generated in a analysis of real case studies. Here, therefore, we have the recognition of this expressive reality and the understanding of the urgency to act on this process effectively, taking the technique, but respecting their demands, knowledge, realities and autonomy of the subjects, aiming at the qualitative improvement of living in self-constructions and inferring the housing deficit.pt_BR
dc.contributor.authorID16.2.1821pt_BR
Appears in Collections:Arquitetura e Urbanismo

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MONOGRAFIA_AutoconstruçãoProcessosAutônomos.pdf5,48 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons